sexta-feira, 9 de junho de 2017

RECANTO - 2017

E lá se vai o primeiro semestre de 2017. Que ano turbulento! Quantas decepções com nossos representantes políticos! Será que esse país tem jeito? E Analândia?
Analândia, assim como muitos outros lugares desse nosso Brasil, sofre os efeitos dessa crise política nacional, pede licença, abre caminho, não se deixa abater e segue adiante tentando resolver seus próprios problemas da melhor forma possível.
Tivemos a sorte de começar o ano com um padre novo, por sinal muito simpático, e novos administradores e vereadores bem-intencionados querendo mostrar serviço.

Mesmo assumindo a prefeitura com muitas dívidas, o prefeito deu o exemplo.




  Prefeito dando exemplo de boa conduta  liderando grupo de moradores em mutirão de limpeza nos principais pontos com atrativos turísticos da Estância.







ANALÂNDIA
No ano de 1966, a cidade de Analândia passou a ser considerada uma das 15 Estancias Climáticas do Estado de São Paulo pela qualidade da água e do clima, tornando-se um lugar muito procurado para descanso, passeios e para o lazer. Depois de quase ter perdido esse status, agora corre atrás do prejuízo tentando se adequar novamente às normas exigidas pela Secretaria de Turismo do Estado.
Relevo com Cuestas Basálticas compõem o cenário




2017 NO RECANTO SOM DAS ÁGUAS
Começamos bem o ano com um Réveillon muito concorrido. As pessoas que escolhem Analândia vêm em busca de sossego, tranquilidade e aconchego. Nossa maior satisfação é receber hóspedes habituais que já se tornaram amigos e outros que terão essa mesma chance. 



O Carnaval na cidade não foi lá essas coisas pois a Prefeitura que costuma bancar a festa estava atolada em dívidas, mas quem veio na pousada se esbaldou nas cascatas do nosso Córrego do Retiro e curtiu nossos bichos.















Dando continuidade ao nosso projeto  social, esse ano disponibilizamos novamente o espaço para os alunos formandos do curso técnico em meio ambiente da Escola Alberto Feres de Araras para um dia de campo com palestras e aula de campo.




sexta-feira, 26 de agosto de 2016

ATRATIVOS TURÍSTICOS EM ANALÂNDIA E REGIÃO



ESTÂNCIA CLIMÁTICA DE ANALÂNDIA - SP




Analândia é um município que localiza-se na parte alta das cuestas basálticas do Estado de São Paulo, com formações típicas de Chapada.
Em decorrência de suas características geológicas e naturais, é grande o número de rios, cachoeiras e morros que estimulam o ecoturismo, turismo rural e a prática de esportes de aventura.

- Córrego do Retiro 
Atração principal da Pousada "Recanto Som das Águas". Atravessa  a propriedade e os hóspedes têm um acesso particular para se divertir. Água limpa que corre em um leito de pedras formando cascatas.




- Morro do Cuscuzeiro  
Cartão Postal da cidade. 
Atividades de lazer e esportes de aventura, camping, restaurante e lanchonete.











- Morro do Camelo 
 Localiza-se próximo do Morro do Cuscuzeiro. 
Acesso livre para visitantes. Vista panorâmica linda da cidade.







- Cachoeira da Bocaina 
 Com um volume pequeno de água caindo de uma altura considerável, compõe  um cenário realmente  deslumbrante. Propriedade particular, mas aberto à visitação mediante pagamento de ingresso.





- Cachoeira do Escorrega 
 Fica aproximadamente a 5 Km da cidade. Tem camping e restaurante.









- Salto do Major Levy 
 A maior cachoeira de Analândia. Local onde se encontram os córregos que formam o Rio Corumbatai. 
Fica logo na entrada da cidade com restaurante no local







- Cachoeira Monte Sião 
Limpa e muito bonita. Fica na divisa com a cidade de Pirassununga.








VALE A PENA CONHECER NA REGIÃO:


-Parque Estadual de Porto Ferreira

Além das belezas cênicas, as trilhas oferecem aos visitantes o contato com a natureza e a descoberta de seus encantos e riquezas. Uso público.


-Porto Ferreira | A cidade da decoração com preços absurdos de barato! 


-Parque Estadual Vassununga em Santa Rita do Passa Quatro

O Parque se destaca pela variedade e exuberância da flora, com algumas espécies ameaçadas de extinção como o jequitibá rosa, o cedro-do-brejo e o palpito jussara. Fica nesse local o maior e mais antigo jequitibá do Brasil.







-Cachoeira de Emas em Pirassununga
Rio Mogi-Guaçu. No local, ótimos restaurantes para se comer peixe.




-Vila Del Capo - O lugar ideal para um almoço ou jantar muito especial.



-Rancho da Tirolesa - Comidinhas especiais, tirolesa e vista deslumbrante.

-Casa da Cachaça Sabores do passado no centro de Brotas


-Parque dos Salto em Brotas



sábado, 16 de abril de 2016

FORMANDOS DE MEIO AMBIENTE NO RECANTO

Desde o início quando começamos com a pousada tínhamos planos de um dia poder compartilhar nosso Recanto com grupos de pessoas parecidas conosco. Aquelas  que valorizam a simplicidade e o bem-estar ao entrar em contato íntimo com a natureza.

Ontem, dia 15 de abril de 2016 tivemos a grata satisfação de receber os alunos do terceiro ano do curso de meio ambiente da escola Prefeito Alberto Feres de Araras, ligada a Fundação Paula Souza.

Monitorados pelo professor Alceu Seixa Jr. que mais parece um “paizão” da turma, os jovens chegaram bem cedo e foram acolhidos com um café da manhã.


Inicialmente tivemos um bate-papo informal onde procurei mostrar aquilo que sei sobre a hidrografia do rio Corumbataí que nasce em Analândia. O Córrego do Retiro que corta a nossa propriedade é um dos quatro riachos principais que depois irão se juntar para formar o Rio Corumbataí. Falamos também sobre o que é  Cuesta (geograficamente), noções de permacultura e agroflorestas e finalmente sobre manejo da terra com foco em erosão.

A seguir levamos os alunos para ver o resultado do nosso trabalho de reflorestamento sempre seguindo os princípios de sustentabilidade e manejo racional e natural do solo ao longo desses dezessete anos. É claro que quando os jovens chegaram no riacho não resistiram,  caíram na água e se esbaldaram.

O almoço foi preparado com muito carinho em nosso fogão a lenha.

Depois da sobremesa e sessão de fotos, fomos plantar a árvore que eles trouxeram. É um ato muito solene; quase um ritual que vai ficar marcado para sempre na lembrança de todos.






















Sem perder tempo, em seguida tomamos o ônibus e nos dirigimos para o alto da Serra do Cuscuzeiro. Muitas fotos e uma aula prática de geografia sobre relevo, chapadão, serras, cuestas basálticas, mesetas e tudo mais que se vê no local.


Finalmente um passeio até o Salto do Major Levi que é uma cachoeira linda que se forma com a união dos riachos que irão compor o Rio Corumbataí. Foi uma farra geral!


Lamento muito não ter podido levar esses jovens para conhecer a Estação de Tratamento de Água. Em Analândia, com dinheiro do Estado e com projeto dos alunos e professores da UNESP de Rio Claro, foi construída uma Estação de Tratamento natural há uns vinte anos mais ou menos. Depois de bombeada aqui do nosso riacho, a água vai para um lago com peixes que servem para o controle de agrotóxicos. Depois, por gravidade, essa água passa para outros dois lagos com plantação de arroz. Ocorre assim uma filtragem da água de uma forma natural e sem produtos químicos. O arroz  é colhido periodicamente e plantado novamente. Apenas no final do processo é adicionado (teoricamente...) o flúor antes da água ser distribuída.
Embora eu tenha feito um pedido formal ao prefeito e ao funcionário responsável, não conseguiram achar tempo para concertar a parte da fiação elétrica da bomba, tirar o mato que tomou conta do local e por tudo para funcionar. LAMENTÁVEL!
Hoje, por conta de ter menos trabalho, segundo informações que tive de forma extraoficial, foi perfurado um poço e é dele que vem sendo retirada a água que abastece esse setor da pousada. A E.T.A. passou a ser uma segunda opção quando a vazão de água do poço diminuí.

Mas esse fato triste foi contornado da melhor forma possível e a aula de campo foi um sucesso!



sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

TÁ CHOVENDO! COMO VAMOS VIAJAR?

Imagem obtida na internet
2016 começou com muita chuva. Graças a Deus!

Chove mansinho no Recanto Som das Águas. A previsão é que o tempo permaneça assim ainda por alguns dias. E aí? Supondo que você estivesse aqui conosco, como iria se comportar?

Poucos hóspedes não se preocupam com o clima, aceitam sem restrições qualquer situação e tiram partido positivo da situação. Mas a maioria age como se fosse o maior de todos os problemas e definitivamente não sabe como lidar com a situação. Tudo é problema!

Dentro do contexto que abrange a temática do Blog, quero nesse artigo fazer uma breve reflexão do comportamento dos hoteleiros e dos hóspedes e dar algumas dicas de como se comportar em dias chuvosos.

Chuva é a razão principal que obriga os hoteleiros impor o depósito de caução. Independentemente se o destino turístico é montanha, campo ou praia, a esmagadora maioria dos turistas não viajaria se não tivesse pago antecipadamente 50% do valor das diárias.

Vou dividir didaticamente em quatro categorias os tipos mais comuns de turistas:

-Existem os extremistas que dão tudo como perdido e definitivamente não saem de casa com chuva de forma nenhuma e dane-se o depósito efetuado.

-Um ou outro viaja numa boa e se diverte de qualquer forma. Caso raro!

-Têm aquele tipo que, já que pagou, e resolve levar seu mau humor para viajar mesmo assim. Se enfurece com o trânsito que está lento, não para nem para fazer xixi e quer chegar logo. Quando chega, vai direto para o apartamento e coloca as cervejas que trouxe no frigobar, mas já toma uma sem gelo mesmo com batatinhas Chips. Bebe  em excesso, dorme durante o dia, nem sai para jantar, afinal chove lá fora, depois dorme muito mal durante a noite. Acorda praticamente de madrugada, obriga a mulher a levantar e já sai para destilar seu mau humor e reclamar de tudo. Começa pelo café da manhã reforçado que planejava tomar e ainda não está servido, pois a porcaria do  refeitório só abre a partir das oito horas.

-E tem o pior tipo que é o encrenqueiro de plantão que vai mentir inventando uma desculpa normalmente de saúde ou morte na família, e depois, com aquela vozinha de bichana coitada, tentará reaver seu dinheiro.
Quando ouve um solene não, muda o tom da conversa, vira “macho” e ameaça ir ao PROCOM.

Ética, bom senso, honra, educação e normas de conduta...tudo papo furado... “meu caso é diferente”.
 
Para o hotel, torna-se quase impossível comercializar o apartamento novamente em um curto espaço de tempo. Nesse cenário, fica evidente que os hotéis necessitam de mecanismos preventivos, pois ao contrário o negócio hoteleiro torna-se inviável. Políticas pontuais podem ser aplicadas para períodos de alta demanda, como quando há muitas feiras e eventos de negócios simultâneos ou em épocas de Férias, Carnaval e Réveillon. Nesses períodos, os hotéis requerem a segurança de que, no caso de cancelamentos das reservas, a receita mínima do estabelecimento estará garantida pela multa compensatória, utilizada nas normas vigentes, inclusive muito bem expostas pelo Código de Defesa do Consumidor. Não há nada de errado no sistema atual, utilizado mundialmente por todos os hotéis.

 
Eu e minha família adoramos viajar e sempre fazemos nossas reservas com muita antecipação. É mais garantido, mais barato e evita sobressaltos. Para nós o clima é indiferente, pertencemos à categoria que consegue se divertir de qualquer jeito, inclusive quando chove. Prevalece o bom humor e o bom senso. Assim sempre somos muito bem acolhidos por nossos anfitriões que acabam se tornando novos amigos.

Ilha das Couves- Janeiro  2016
Felizmente em casa somos parecidos e sempre entramos em acordo ao escolher um destino.
Procuro me antecipar fazendo uma viajem virtual pela internet e já saímos de casa com um roteiro completo de pousadas, restaurantes, passeios, atividades e até alternativas de percurso. Penso antes de sair de casa no que vamos poder fazer se chover em cada dia de acordo com o local onde estaremos. Dá um pouco de trabalho, mas vale a pena!

Outra boa dica é programar a viagem indo por um trajeto diferente da volta, mesmo que seja mais longo. Não é só o destino que importa. A viajem em si tem de ser prazerosa.

Finalizando, vale lembrar que praticamente tudo que nos dá prazer quando estamos em casa pode ser potencializado quando estamos viajando. O astral de que não tem compromissos e horários rígidos, está bem acompanhado, em um local bonito e acolhedor e pode escolher a comida, no mínimo é um alto-astral.

Se não for assim, não desperdice dinheiro e poupe aborrecimentos. Fique em casa mesmo!















domingo, 27 de dezembro de 2015

RÉVEILLON EM ANALÂNDIA

Final de ano mais uma vez!
Ainda bem que pessoas inteligentes deram um jeito de “dividir” e marcar o tempo criando os calendários ao longo da nossa história. Quando Júlio César, com a ajuda do astrônomo
Sosígenesque criou esse nosso calendário, acho que não imaginava como seriam os futuros Réveillons e muito menos ainda, como as pessoas buscariam reflexões e fariam balanços antes de fechar cada ano.

É bom poder refletir sobre nossas atitudes periodicamente avaliando desempenho profissional ou escolar, forma física, relações amorosas, estado geral de saúde, situação financeira, enfim aquilo que julgamos ser importante.
Existe, é claro, aqueles que preferem avaliar seus semelhantes. A barriga no fulano não para de crescer. Aquela minha amiga tomou a atitude certa separando-se do marido. Tem gente que só pensa em gastar. Fulana está cada dia mais gorda. E por aí vai.
Mas como cantava o saudoso sambista mineiro Mário Souza Marquez Filho mais conhecido com Noite Ilustrada,

Ali onde eu chorei
Qualquer um chorava
Dar a volta por cima que eu dei
Quero ver quem dava”.

Dividir a vida em ciclos é muito interessante, principalmente porque temos a ilusão que tudo que não deu certo ou não saiu do jeito que a gente queria, pode ser deixado simplesmente para trás e no Ano Novo poderá ser diferente. É um sentimento ingênuo e quase coletivo que faz esquecer e revigora. Alguns promovem autocríticas sinceras e chegam até fazer as famosas listinhas de intensões de coisas que planejam mudar para melhorar suas vidas. É claro que também tem o time dos pessimistas de plantão que passam o ano literalmente até o final, comentando as dificuldades econômicas, financeiras e o escambau a quatro… prevendo, é claro, um ano novo ainda pior.
Quando chega o ano novo sempre lembro de uma frase de um saudoso e ilustre amigo chamado João Modestti que dizia sempre:
O Ano Novo é como um túnel imenso que vamos entrar. É escuro e longo. Não se sabe o que nos reserva essa travessia. Algumas surpresas e alguns sustos. Muitos sairão, mas alguns não conseguirão. Tem grandes possibilidades dos mais velhos sucumbirem primeiro, mas muitas vezes eles conseguem fazer a travessia e alguns mais jovens ficam pelo caminho”.
Uma coisa é certa, buscamos a felicidade! Com alguns pré requisitos básicos como amor, compaixão, equilíbrio, paz e boa vontade todos podem se felizes. Só depende de nós!
Como bem disse o filósofo Mario Sérgio Cortelha, A vida é muito curta para ser pequena. Não podemos nos apequenar.” É preciso lutar para poder vencer.
Mas você que teve paciência de chegar até aqui pode estar pensando, mas o Blog não é sobre Turismo em Analândia? Pois é, só que achei que a época favorece uma boa reflexão, inclusive em virtude do comportamento que temos visto em nossos hóspedes por ocasião do Réveillon aqui na pousada.
Acabo de chegar de férias em Ubatuba onde passamos sete dias maravilhosos. Os primeiros três dias nos hospedamos em uma pousada esplêndida na vila de pescadores tombada pelo patrimônio histórico de Picinguaba dentro do Parque Estadual da Serra do Mar.

Um local que reúne três ecossistemas: Mata Atlântica, mangue, marinho. Sem dúvida nenhuma um cenário paradisíaco com muito conforto e bem-estar. Mas o principal mesmo foi termos feito uma boa escolha, afinal, com já escrevi aqui no Blog anteriormente, toda pousada é a cara do dono e consegue atrair pessoas afins. Quando viajamos procuramos sempre estar em meio à natureza, assim como também, onde passamos grande parte da nossa vida em Analândia no Recanto Som das Águas.